Profissional alerta: dificuldade em se desligar do trabalho causa transtornos mentais

“Se a pessoa tiver muitas tarefas para fazer e não conseguir se desligar do trabalho devido ao acúmulo de tarefas, isso pode prejudica-la”, alerta Maria Clara de Brito. Ela é psicóloga e garante que alguns transtornos são causados por esse não “desligamento” do trabalho.

“Quando você se dedica muito ao trabalho após a sua jornada, isso te traz estresse e ansiedade”, ela comenta. Avaliando que o motivo principal é o fato de a pessoa trocar esses sintomas pelo lazer que poderia ter.

desligar do trabalho

Para ela, uma das alternativas é ter os celulares ou números de telefone corporativos, que são usados apenas nos horários de trabalho. Isso porque “muitas pessoas não sabem diferenciar o horário de trabalho”.

O resultado dessa pressão que o trabalhador cria ou sofre vindo de algum chefe pode causar problemas mentais e físicos. “A saúde mental é desgastada e logo compromete a parte física”.

Para embasar as palavras de Brito, ela mesmo cita uma pesquisa do ISMA (Associação Internacional de Manejo do Estresse). A pesquisa mostra que mais de 70% dos brasileiros que atuam profissionalmente sofrem sequelas vindos do estresse.

A pressão no trabalho

A psicóloga avalia que a pressão no trabalho é a grande causa da baixa qualidade de vida que o brasileiro tem nos dias atuais.

Nas palavras dela, é muito adoecimento por conta da pressão do trabalho. Aonde o profissional e o líder acabam se frustrando com os resultados.

“Quando o colaborador consegue manter o foco tudo é mais fácil durante a jornada. Para, concluído aquele dia é preciso desvincular até o outro dia”.

A grande diferença, para ela, é saber diferenciar esses dois ambientes, entre o trabalho e a casa do trabalhador. “Em um momento ou outro iremos levar trabalho para casa. Mas, temos que ser policiados para minimizar isso o máximo que pudermos”.

Para a especialista, a solução é manter-se sempre atento aos horários de trabalho e à vida profissional.

Vida profissional

Para Brito, quando a pessoa sofre pressão de algum líder, ele se sente na obrigação de apresentar resultados imediatamente. É isso que faz com que não vá desligar do trabalho.

No entanto, essa obrigação nunca deve vir para o campo da vida pessoal.

O motivo é que é na vida pessoal que acontecem os bons momentos, que são indicados para a saúde física e mental, como o lazer.

“A pessoa tem que saber separar o trabalho das atividades de lazer. Somente fazendo isso ela vai encontrar alternativas para evitar as doenças mentais ou os distúrbios”.

Conscientização das empresas

Brito também fala sobre a importância de as empresas trazerem essa conscientização para os funcionários, sendo esse um papel totalmente social.

“A área de Recursos Humanos da empresa pode criar atividades para que os funcionários consigam dialogar entre si. Sorrir. Conversar. Tudo o que é preciso para tirar um pouco do peso do ambiente de trabalho”.

Ela conta que isso pode ser feito a partir de treinamentos, que acabam por favorecer o bom desempenho de toda a companhia. Ginásticas laborais também são boas estratégias.