Lombalgia, a doença que representou 80 mil licenças de trabalho em 2017

O INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) apontou que a lombalgia está em 2º lugar no ranking de doenças que garantem os benefícios de auxílios por parte do órgão. Os dados são de 2017, mas ainda mostram uma boa parte da realidade atual.

Somente em 2017 foram 80 mil casos de licenças por afastamento no trabalho para pessoas que comprovaram a lombalgia. As informações são oficiais, da Secretaria da Previdência do Ministério da Fazenda.

Aliás, se o assunto for afastamento no trabalho com base em doenças ortopédicas, aí a lombalgia fica em 1º lugar, sendo chamada também de CID m545 ou popularmente conhecida como “dor nas costas”.

Na época, o presidente da ANMP (Associação Nacional dos Médicos Peritos), Francisco Alves, avaliou os números. E disse que as doenças ortopédicas são as que mais levam as pessoas aos atendimentos e afastamentos profissionais no Brasil.

CID m545

A lombalgia, como o nome sugere, é uma dor que fica concentrada na região lombar, na parte baixa da coluna. O resultado são dores fortes que podem chegar até os glúteos e as coxas.

Mesmo que tenha um CID (Código Internacional de Doenças) próprio, a lombalgia não é considerada uma doença para muitos médicos. Isso porque ela forma um conjunto de sintomas na região das costas.

Entre as principais causas da lombalgia estão: a má postura nas tarefas do dia a dia (trabalho e doméstico) e as torções dos músculos, que quase sempre acontecem pela sobrecarga de peso.

Além disso, também existem outros fatores desencadeantes, como os esforços repetitivos, o condicionamento físico errado, o sedentarismo e até mesmo doenças pré-existentes, como as hérnias de disco.

Afastamento

Os sintomas mais conhecidos para essas dores nas costas são vistos como intensos e maçantes. Mas, nem sempre que vai ao médico com a lombalgia, o paciente fala apenas em dores.

Ele também pode citar espasmos musculares, mobilidade muscular, dormência, formigamento, lesões, entre outros sintomas. E isso pode se prolongar para regiões como o ciático, pernas e pés.

Aí, antes de afastar o trabalhador das suas tarefas profissionais, o médico deve solicitar algum exame que comprove o estado da doença. Pode ser uma ressonância magnética ou o raio-X.

Após isso, ele poderá afastar o paciente. E vale lembrar que seguindo os requisitos do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social), o trabalhador pode ter direito aos benefícios sociais, seja o auxílio-doença ou a aposentadoria por invalidez.

Tratamento

Vale lembrar que a lombalgia tem tratamento, portanto, é uma doença curável. Para se chegar até a aposentadoria por invalidez, portanto, é preciso que exista uma evolução muito grande e espaçada da doença em determinado prazo de tempo.

Já quando no início, a doença pode ser tratada com medicamentos e repouso por períodos consideráveis a partir dos sintomas dos pacientes.

É importante dizer que nunca se deve se auto medicar. Afinal, por mais que essa seja a doença mais comum de 2017 e deve seguir sendo nos próximos anos, somente um médico é capaz de dar o diagnostico final – isso com base em exames que comprovem.